“É importante a competitividade continuar, Goiás sempre foi competitivo”, diz Otávio Lage

CEO da Jalles Machado avalia que ajustes ainda precisam ser feitos em programa de incentivos fiscais do governo de Ronaldo Caiado; Empresa pode fazer investimento fora do Estado

“É importante a competitividade continuar, Goiás sempre foi competitivo”, afirma o CEO da Jalles Machado, Otávio Lage Siqueira Filho. O empresário relatou, nesta terça-feira (07) ao POPULAR, uma preocupação que o empresariado goiano ainda possui com o novo modelo de incentivos fiscais implantado no governo de Ronaldo Caiado (DEM), o ProGoiás.

Ao programa Chega pra Cá, com a jornalista Cileide Alves, Otavinho, como é conhecido no meio, explicou que apesar dos embates com o governo terem ficado no passado, ainda há ajustes a serem feitos. “Se o ProGoiás fosse tão bom, haveria mudança automática de todos os projetos e isso não aconteceu ainda.” Ele acredita que é preciso avaliar o que outros Estados estão fazendo para atrair empresas. Mato Grosso do Sul e Minas Gerais foram citados por ele como exemplos. No setor sucroenergético, lembra que há uma usina que tinha projeto para Goiás, mas decidiu ampliar unidade sul-mato-grossense. “Esses sinais precisam ser analisados”, afirmou na entrevista ao defender que é necessário que o governo busque respostas quando empresas deixam de investir localmente. Ele acredita que é preciso melhorar e ficar antenado no que acontece fora do Estado.

Por outro lado, admite que novo programa de incentivos fiscais, cuja formatação foi acompanhada pela Associação Pró-Desenvolvimento de Goiás (Adial) – quando Otavinho era o presidente –, não foi ruim para o Estado. O empresário acredita que o investimento em programas sociais, a partir da contribuição empresarial, é importante.

“Não somos contra, mas (o governo de Ronaldo Caiado) tem de avaliar a competitividade de projetos que não vêm para Goiás.” Filiado ao PSDB, ele afirma que as discussões sobre o tema incentivos também ocorreram nos governos tucanos.

Jalles Machado

Outro tema abordado na entrevista foi a valorização da empresa Jalles Machado. Após o IPO, com maior captação de recursos, haverá novos investimentos. Para Goiás, informou que para os próximos três anos está previsto aplicação de R$ 500 milhões. Revelou ainda que há planejamento para a compra de uma terceira unidade, cuja localização ainda está em estudo.

“Ainda não temos uma empresa, estamos olhando em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo.” Entre o que está em análise, estão, além das características da unidade e condição de trabalho, os incentivos locais.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *