Goiás vai exportar carne bovina para a Tailândia

Planta industrial do Frigorífico Minerva, instalada em Palmeiras de Goiás, foi habilitada para vender para o País asiático.

A Tailândia agora é o novo mercado da carne bovina exportada por Goiás. De acordo com anúncio feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), cinco plantas brasileiras foram habilitadas para vender para o País. No Estado, foi habilitada a planta industrial do Frigorífico Minerva, instalada em Palmeiras de Goiás.

Conforme as negociações, a Tailândia comprará carne bovina com osso, carne desossada e miúdos comestíveis do Estado. O País asiático é um mercado de carne com potencial de até US$ 100 milhões nos próximos anos, conforme avaliou o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério, Orlando Leite Ribeiro.

Em 2019, a Tailândia importou de todo o mundo cerca de US$ 90 milhões em carne bovina. A Austrália participou da metade desse valor, já que os dois países possuem acordo de livre comércio. Além da carne, recentemente foi anunciada a abertura do mercado tailandês para produtos lácteos do Brasil.

Antônio Carlos de Souza Lima Neto, titular da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), celebrou o resultado das negociações. “A agropecuária goiana é destaque nacional e impulsiona a economia do Estado, o que reflete no desempenho nacional. Trabalhamos diariamente para garantir que nosso rebanho seja referência em sanidade e a aprovação dos países reforça que estamos no caminho certo”, disse.

As negociações entre Brasil e Tailândia tiveram início em 2015. Em janeiro de 2019, Goiás recebeu uma missão técnica tailandesa que inspecionou sistemas de produção pecuária e plantas frigoríficas. Eles foram acompanhados por profissionais do Mapa, da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), jurisdicionada da Seapa, e da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

Fonte: Jornal o Popular

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *