Pode sugar as pautas’, diz vice-presidente da Câmara sobre reforma tributária

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (4), o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), 1º vice-presidente da Câmara, disse que o Brasil não pode entrar em março sem o orçamento. Para ele, a reforma tributária tem “mais conflitos setoriais e regionais”, por isso, se derem centralidade a ela neste momento, não vão conseguir aprovar o que é “inadiável”.

“Precisamos imediatamente instalar a Comissão Mista de Orçamento, fazer um acordo de procedimentos que reduza os prazos, para até o final de fevereiro, no mais tardar no início de março, tenhamos o orçamento aprovado. Para aprovar o orçamento e ter alguma folga fiscal que garanta o auxílio emergencial ou até mesmo uma reestruturação do Bolsa Família, nós precisamos dar prioridade à PEC Emergencial”, disse.

A partir de então, as reformas administrativa e tributária serão discutidas, “tentando costurar um acordo até o mês de outubro”.

O deputado disse ainda que o país tem uma “absurda injustiça tributária”, no que diz respeito à distribuição de tributos.

“A União fica com 60% de tudo o que é arrecadado, os estados dividem aproximadamente 24% e os municípios, que é onde as pessoas efetivamente vivem, apenas 16%. Então há uma concentração de recursos  na união e, para que tenhamos mais Brasil e menos Brasília, nós precisamos efetivamente promover essa desconcentração porque os serviços públicos são oferecidos lá na ponta.”

Outros vídeos sobre a Reforma Tributária

 

Produzido por Rudá Moreira, da CNN em Brasília

04 de fevereiro de 2021 às 14:31

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *